quarta-feira, 4 de março de 2009

NÓ TÁTICO

Difícil explicar os motivos que levaram o Palmeiras à sua segunda derrota na Libertadores 2009, frente ao Colo-Colo, 3x1. Apesar do revés na estreia contra a LDU (onde a altitute sempre pesa), o time de Luxemburgo era favorito, por várias razões. Jogo em casa, time tecnicamente muito superior, boa fase no estadual. Tudo conspirava para o triunfo do Palmeiras. Entretanto o que se viu foi uma equipe bem diferente daquela que tem passeado no Paulistão, aliando técnica e velocidade.

Disse que era difícil explicar essa derrota? Talvez nem tanto. É provável que Luxemburgo tenha usado a armação tática divulgada pelo jornal La Nación, do Chile, horas antes da partida. Não dá pra jogar num 4-3-3 com Clayton Xavier de volante e Marcao(sic) de centroavante, né Luxa? Tsc, tsc, tsc...


Frase

"A gente sabe que essa fase da Libertadores é de tiro curto. Temos que conseguir a vitória de qualquer jeito", disse Marcão, antes da derrota contra o Colo-Colo.

Se ele considera a fase de grupos "tiro curto", imagina o que ele vai achar do mata-mata.

5 comentários:

Sueto disse...

Diria que o Brasileirão deve ser tiro-médio, então.

hehehhe

Silvio Tambara disse...

Afinal, o que é tudo isso perto da grandiosidade do universo?

Larissa disse...

Minha cliente está triste. Muito triste.
Att,
Lili Marinho

Larissa disse...

Minha cliente está triste. Muito triste.
Att,
Lili Marinho

Breiller disse...

Haha! Acho que o infografista do La Nación deve ser corintiano. Escalou o Marcão quase como o centroavante do time e deslocou o capixaba pra esquerda. Isso sem contar a criatividade e perspicácia no posicionamento das setas, né?